A censura COVID se mostrou letal

Artigo de Bret Swanson para o Wall Street Journal, "Covid Censorship Proved to Be Deadly", sobre como a censura COVID, imposta pelo governo e empresas de mídia social, se mostrou letal.


Após a explosão do ônibus espacial Challenger em 1986, o físico vencedor do Prêmio Nobel Richard Feynman sabia que a verdade alimentaria o progresso e acalmaria a tristeza da nação. “Para uma tecnologia bem-sucedida”, disse ele, “a realidade deve ter precedência sobre as relações públicas, pois a natureza não pode ser enganada”.

Durante três anos, as relações públicas da pandemia zombaram da natureza, gerando medo, doenças, inflação e excesso de mortes além do que o vírus causou. A censura digital dobrou suas apostas no esforço para esconder a realidade, mas a realidade está ganhando seu dia no tribunal.

Em 4 de julho, o juiz distrital dos EUA, Terry Doughty, bloqueou temporariamente várias agências federais e a Casa Branca de colaborar com empresas de mídia social e grupos terceirizados para censurar o discurso sobre a pandemia.

O caso Missouri v. Biden expôs as relações entre agências governamentais e empresas de mídia social, revelando uma camada adicional de centros universitários e autodenominados vigilantes da desinformação e suas estruturas para verificação de fatos.

A divulgação de alguns dos arquivos internos do Twitter por Elon Musk mostrou que pelo menos80 agentes do FBI (Federal Bureau of Investigation) estavam envolvidos com empresas de mídia social. A maioria dos agentes não estava lutando contra o terrorismo, mas sinalizando pensamentos errados de cidadãos americanos, incluindo cientistas eminentes que sugeriram caminhos diferentes na política da Peste chinesa.

Os resultados dessas relações? O Twitter colocou em sua lista negra o médico e economista da Universidade de Stanford, Jay Bhattacharya, por mostrar que Covid ameaçava quase exclusivamente os idosos, reduzindo severamente a visibilidade de seus tweets. Quando o especialista de políticas de saúde de Stanford, Scott Atlas, começou a aconselhar a Casa Branca, o YouTube apagou seu famoso vídeo contra os lockdowns. O Twitter baniu Robert Malone, um pioneiro da tecnologia de vacinas de mRNA, por chamar a atenção para os perigos das vacinas. O YouTube desmonetizou o biólogo evolutivo Bret Weinstein, que sugeriu que o vírus poderia ser modificado e previu o surgimento de variantes resistentes à vacina. E esses são apenas alguns exemplos.

As plataformas de mídia social agiram como instrumentos poderosos para censura ampla, mas não estavam sozinhas. Escolas de medicina, conselhos médicos, revistas científicas e a mídia leiga em massa cantaram no mesmo hino.

Legiões de médicos ficaram quietas depois de testemunhar a demonização de seus pares que desafiaram a ortodoxia das políticas adotadas durante a pandemia. Como resultado, milhões de pacientes e cidadãos foram privados de recursos importantes.

As autoridades de saúde e os médicos da TV insistiram que os jovens eram vulneráveis, exigiram que as crianças usassem máscaras, fecharam escolas, praias e parques e relutaram em contemplar análises cruciais de custo-benefício. A economia? A saúde mental? Nunca ouvimos falar deles.

Esses “especialistas” negaram os efeitos protetores da imunidade adquirida, um fenômeno que conhecemos desde a Praga de Atenas em 430 a.C. Eles proibiram medicamentos genéricos aprovados pela Food and Drug Administration, como azitromicina e ivermectina, que nações de baixa renda em todo o mundo estavam implantando com sucesso. Eles falharam em apreciar a dinâmica evolutiva da vacinação em massa durante uma pandemia.

O governo dos EUA gastou US$ 6 trilhões para impulsionar a economia durante os lockldowns – e a maioria das pessoas pegou Covid de qualquer maneira. Pior de tudo, os trancamentos e mandatos resultaram em danos sem precedentes para jovens e pessoas de meia-idade nos países ricos.

O excesso de mortalidade na maioria dos países de alta renda foi pior em 2021 e 2022 do que em 2020, o ano inicial da pandemia. Muitas nações mais pobres com menos controle do governo tiveram resultados melhores. A Suécia, que não fez lockdown, teve um desempenho melhor do que quase todas as outras nações avançadas.

Depois de navegar em 2020 com relativo sucesso, pessoas saudáveis jovens e de meia-idade em nações ricas começaram a morrer em números sem precedentes em 2021 e 2022. Dentre as principais causas: embolias, insuficiência renal e câncer.

Esconder essas e outras realidades tornou-se mais difícil na era da internet. A explosão de informações permitiu que mais pessoas identificassem rapidamente os erros dos funcionários do estado e aprendessem a verdade. Isso mudou a relação entre as autoridades e seus governantes. Os responsáveis agora começam a se sentir ameaçados.

A intensificação da censura digital é a resposta deles a essa crise de autoridade. É verdade que a desinformação é desenfreada online, mas era muito pior antes da internet, quando os mitos podiam persistir por séculos. As novas tecnologias nos permitem compilar dados rapidamente, corrigir erros, encontrar fatos e dissipar falsidades. A ciência, apoiada por uma internet aberta, é o processo pelo qual reduzimos a desinformação e nos aproximamos da verdade.

A inteligência artificial melhorará nossa capacidade de filtrar, analisar, editar, autenticar e organizar informações. Quando você ouvir pedidos para licenciar ou centralizar o controle da IA, lembre-se da arrogância da censura da Peste Chinesa.

“Ataques contra mim”, insistiu o famoso Dr. Anthony Fauci, “francamente, são ataques contra a ciência”. Feynman teria ficado horrorizado. “Ciência”, observou sabiamente, “é a crença na ignorância dos especialistas”.


Esta é uma tradução livre do artigo publicado originalmente no Wall Street Journal a 7 de julho de 2023 de autoria de Bret Swanson, Covid Censorship Proved to Be Deadly, que mostra como o governo e as empresas de mídia social conspiraram para sufocar os dissidentes que estavam certos.

Este texto foi disponibilizado pelo Dr. Alessandro Loiola em seu Twitter pessoal. Não ficou claro se foi ele quem fez a tradução.

Conteúdo relacionado

Mais informações

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *