Guilherme Freire – Os mitos sobre a Inquisição (Vídeo)

Guilherme Freire, questionando aos telespectadores quais mentiras lhes foram contatas a respeito da Inquisição, desmascara vários mitos sobre tal instituição. Acesse aqui a descrição completa.


Descrição

Neste vídeo, o professor e mestre em filosofia Guilherme Freire, questionando aos telespectadores quais mentiras lhes foram contatas a respeito da Inquisição, desmascara vários mitos sobre tal instituição, que, só pra início de conversa, representou um grande salto civilizacional e evitou que a Europa fosse quase que completamente dizimada.

De fato, os tribunais da inquisição foram instituídos inicialmente para investigar seguidores da heresia cátara, uma gnose que pregava o assassinato de grávidas, defendiam também o suicídio por inanição e cometiam outros crimes macabros, como nos detalhou o professor Orlando Fedeli em certa ocasião e também respaldado com posições de historiadores de diferentes crenças.

Em suas atuações e procedimentos, também estão as bases para o direito civil moderno. Foi um tribunal, onde os acusados tinham amplo direito de defesa, inclusive podendo apelar a um advogado gratuito, conforme há diversos registros na Espanha.

A alegada matança também é conversa fiada. De acordo com especialista e ilustrado neste documentário, a Inquisição na Espanha, considerada a mais infame de todas, celebrou entre 1540 e 1700, 44.674 juízos. Os acusados condenados à morte foram 1,8% e, destes, 1,7% foi condenado em «contumácia», ou seja, pessoas de paradeiro desconhecido ou que em seu lugar se queimavam ou enforcavam bonecos. É só fazer a contas aí.

A verdade é que a visão distorcida que muitos tem a respeito da Inquisição é resultado de um esforço de séculos para difamar a instituição bimilenar fundada por Jesus Cristo em pessoa por parte de seus inimigos.

Enfim, há muitos mitos e calúnias, mas achamos que Freire tem melhor capacidade para ensinar.

Conteúdo relacionado

Mais informações

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *