Burgess Owens – Por que não quero nem mereço reparações

A estrela do Super Bowl Burgess Owens explica por que não quer nem merece reparações, e não quer ser parte de nenhum destes movimentos, os quais considera condescendentes e contraproducentes.

Classificação: 5 / 5. Votos: 1.

Burgess Owens – Por que não quero nem mereço reparações

Neste vídeo da Prager University, a estrela do Super Bowl Burgess Owens, que por acaso é negri e cujo bisavô era escravo – explica por que não quer nem merece reparações, e não quer ser parte de nenhum destes movimentos, os quais considera condescendentes e contraproducentes.

Vários movimentos de matriz esquerdista hoje cobram reparações por uma enorme variedade e situações diferentes. Originados principalmente do pós-estruturalismo, esses movimentos dividem a sociedade entre opressores e oprimidos, e atribuindo esta divisão a características da sociedades que, afirmam eles, são estruturais.

Mas nem sempre é assim. Prova maior de que não é uma tese válida de fato e nem mesmo internamente consistente, não se cobra reparações de egípcios por escravizarem hebreu nem de mouros por escravizarem europeus. Ocorre que, de fato, aqueles que realmente foram oprimidos há longas eras hoje nem mais estão entre nós, assim como os opressores. É um crime que não tem mais culpado, não tem mais vítima, mas que ainda assim pretender ter punidos.

Este vídeo foi traduzido e legendado em português brasileiro pelos Tradutores de Direita, e foi publicado, nesta versão PT-BR, originalmente ao dia 28 de outubro de 2019.

Transcrição do texto

Meu tataravô, Silas Burgess, veio para a América acorrentado na barriga de um navio negreiro. Ele foi vendido em um leilão em Charleston, Carolina do Sul, para a Burgess Plantation.

Órfão aos 8 anos de idade, ele foi, felizmente, cercado por escravos mais velhos que, embora fisicamente acorrentados, imaginavam-se mentalmente como homens livres. Eles escaparam, levando o jovem Silas com eles, seguindo para o oeste do Texas.

Silas trabalhou duro e economizou seu dinheiro. Eventualmente, ele se tornou proprietário de 102 acres
de terras agrícolas, que cultivou e pagou em dois anos. Carrego com orgulho o nome de meu primeiro
ancestral americano – que, como milhões de outros atraídos ou trazidos para o nosso país, lutou
contra obstáculos esmagadores para viver o sonho americano.

Silas fundou a primeira igreja negra, a primeira escola primária negra em sua cidade. Ele era um republicano, um cristão e um pilar de sua comunidade. Ele era orgulhoso e trabalhador e ensinou seus filhos a serem o mesmo.

Agora, porque o tataravô Silas já foi escravo, os chamados ‘progressistas’ querem me dar dinheiro. Não importa que, como ele, eu seja um empresário que recebeu uma excelente educação, construiu negócios, criou uma família notável e, ao contrário da maioria dos americanos brancos, ganhou um anel do Super Bowl.

Por causa de um trabalho que nunca fiz, açoites que nunca tive, sob um chicote que nunca conheci, esses progressistas querem me dar um dinheiro que nunca ganhei. O fato de esse dinheiro ser tirado à força de outros que também sonharam, trabalharam e se sacrificaram por isso, me disseram, não é da minha conta.

Mas isso é.

No cerne do movimento de reparações está uma visão distorcida e humilhante de negros e brancos. Concede superioridade à raça branca, tratando -a como um povo opressor, poderoso demais para ser superado pelos negros americanos. Marca os negros como vítimas infelizes, desprovidos da capacidade que qualquer outra cultura possui para assimilar e progredir.

O movimento de reparações esquece convenientemente os 150 anos de progresso jurídico, social e econômico obtido por milhões de minorias americanas. Também minimiza o sacrifício de centenas de milhares de americanos brancos e de um presidente republicano que deu a vida para erradicar a escravidão.

Acho que o vovô Silas teria visto essa perda de vidas americanas como pagamento integral. Todo agradecido americano negro, então e agora, sentiria o mesmo.

O movimento de reparações também reforça uma visão das relações raciais que mina a base judaico-cristã dos Estados Unidos. Ele desafia os ideais de perdão e segundas chances e despreza a responsabilidade individual.

Os defensores das reparações acreditam que os americanos negros são incapazes de carregar seus próprios fardos, enquanto os americanos brancos devem carregar os pecados daqueles que vieram antes deles.

Os proponentes não levam em consideração a maioria dos americanos brancos que nunca tiveram escravos, que lutaram para acabar com a escravidão ou que vieram para a América muito depois de ela ter acabado.

Esta mensagem divisiva marca a raça negra como quebrada para sempre, um povo cuja cura só pode vir através da culpa, pena e benevolência dos brancos. Tragicamente, agora vemos isso acontecendo em nossos campi universitários. Assim como os jovens americanos brancos reconhecem sua cor de pele como um ‘privilégio’, os jovens negros americanos – sem vergonha aparente – aceitam sua cor de pele como aquela que automaticamente confere o status de vítima.

Ao fazer isso, eles parecem não saber que essa percepção dos negros era compartilhada pelos supremacistas brancos do sul dos anos 1960 da minha juventude. Aqueles que buscam reparações aceitaram a teoria de que apenas a cor da pele é capaz de tornar uma raça superior à outra – que sem nenhum esforço adicional, valores ou iniciativa pessoal, os americanos brancos terão sucesso, enquanto os americanos negros fracassarão.

Em sua essência, isso representa o mal condescendente do racismo. Certamente não representa o potencial da América negra. 40% das famílias negras hoje vivem o sonho americano da classe média. Existem milhares de americanos negros entre os 1% mais ricos de nossa nação – médicos, advogados, engenheiros e professores; para não mencionar as estrelas da música, TV, cinema e esportes.

Muitos dos cidadãos mais reverenciados e celebrados de nossa sociedade
são negros. As jornadas desses americanos para riqueza e proeminência variam, como as de seus colegas brancos, mas muitos se beneficiaram de ter ancestrais como o vovô Silas, que abraçou as oportunidades oferecidas por seu país e que deixou para trás um legado de orgulho, produtividade, patriotismo e sucesso. famílias.

Por que os americanos brancos – meus vizinhos, amigos e concidadãos – me devem alguma coisa? Se o vovô Silas estivesse aqui, tenho certeza que sua mensagem para todos, sejam negros ou brancos, seria simplesmente esta: bom caráter não se compra com suborno.

Sou Burgess Owens, da Prager University.”

Mais


Adicionado em: 17 de janeiro de 2023

Visualizações: 8

Duração: 05:10

Categorias: Curtos

Marcadores: , ,

Canal: Prager University

Publicado por: Equipe Direita Realista

Deixe um comentário