Operação Antifraude: Urnas eletrônicas

PHD em inteligência artificial e Pós-Doutor em Governo Eletrônico apresenta a Operação Antifraude, concebida para coletar os dados de votação do TSE e detectar fraudes nas Eleições 2018 através de um dos métodos mais respeitados do mundo. Clique aqui para a descrição completa.


Descrição

Hugo César Hoeschl, PHD em inteligência artificial e Pós-Doutor em Governo Eletrônico, apresenta a Operação Antifraude, concebida para coletar os dados de votação do TSE e detectar se houve fraudes nas Eleições 2018 por meio da metodologia “Lei de Benford”, um dos métodos mais respeitados no mundo de contagem de votos.

Segundo o vídeo, o sistema eleitoral brasileiro tem o resultado coletado pela urna eletrônica DRE, equipamento exclusivamente utilizado no Brasil. Nos últimos anos, a discussão da confiabilidade dessa tecnologia foi pauta dos maiores veículos de comunicação devido a uma alegada incapacidade da urna ser auditada.

Neste vídeo do canal Brasil Paralelo, Hoeschl afirma que estudos com reconhecimento internacional apontarim que a probabilidade de fraude nas últimas eleições presidenciais brasileiras foi de 73,14%. Além disto, sabe-se que as urnas eletrônicas brasileiras não são usadas por quase nenhum outro país do mundo.

Últimas notícias

Mais informações

26 thoughts to “Operação Antifraude: Urnas eletrônicas”

  1. Quais estudos são esses ?
    Onde foram publicados?
    Como vocês terão acesso aos dados do TSE, o mesmo está trabalhando em conjunto com essa iniciativa?
    A página oficial é resumida demais , não dá detalhes falta transparência.
    Como vou compartilhar isso? Fica parecendo Fake New a Lá petralha

      1. Pelo nível de resposta do administrador já se vê a credibilidade da “iniciativa”, tudo é pura falácia de quem quer aparecer e não sabe como. Esse Hoeschl é investigado e tem pelo menos 5 processos administrativos contra ele. de fato é a pessoa certa para falar em “fraude”

  2. Recentemente assisti a um debate sobre as urnas eletrônicas no TSE, onde foi dito que três dos técnicos que gerenciam “o sistema”, dois são venezuelanos e um português. Assim sendo, gostaria de saber quais os riscos que corremos com essas urnas?
    Na mensagem, acima publicada, Ugo Cezar Hoechl afirma que as urnas utilizadas no Brasil não são auditáveis, bem como que o percentual de fraude nas elições de 2014 foi de 73,14%. Como utilizaremos essas mesmas urnas nas eleições do dia 7, COM O RESULTADO A SER PUBLICADO NO MESMO DIA, como ficará a publicação da auditoria da OEA, uma vez que a mesma será divulgada no dia 11/10/2018?
    Gostaria de receber uma resposta clara/sucinta. Atenciosamente,

  3. Se foi comprovada a fraude, porque ninguém fez nada? Por que o MP não foi acionado? Por que o TSE não foi comunicado? Um pouco estranho você confirmar uma fraude e sentar em cima da informação.

  4. Pensando em todas as questões levantadas encaminhei o vídeo para o sitr comprove. Ainda nao tive uma respsta a contento.

  5. Lendo os comentários e respostas do Administrador, concluo que se trata de uma brincadeira de mau gosto, Fake News , ou promoção pessoal do tal pós doutorado. Lixo.

    1. somente o emanuel acha que as urnas são confiáveis baseado nas respostas do administrador de um site qualquer que não lhe respondeu com delicadeza pq ele é muito delicado.

  6. De fato desconfio desse sistema de urnas eletrônicas, porém, fake ou não, não dá para acreditar que uma análise autônoma e desalinhada dos órgãos oficiais, certamente, não terá a menor condição de anular as eleições…ou seja, não acho que seja por esse caminho…O TSE, já se manifestou sobre a confiabilidade das urnas e, não seria uma pesquisa independente que mudaria sua opinião…
    Por fim, meus amigos, fake ou não, tenham certeza que o resultado das urnas não será anulado…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *