Seria a tragédia do Afeganistão proposital? (Vídeo)

Peter Turguniev, do ANCAPSU, analisa a tragédia do Afeganistão relacionando-a com a Teoria Monetária Moderna. A saída americana daquele país do jeito que foi feita deixou muitas dúvidas. Seria isso tudo proposital? Acesse aqui a descrição completa.


Descrição

Neste vídeo, o Peter Turguniev, do ANCAP.SU, faz uma análise sobre a tragédia do Afeganistão, visto que a saída americana daquele país do jeito que foi feita foi uma grande e falha e deixou muitas dúvidas. Ele relaciona este assunto à Teoria Monetária Moderna (MMT), explicando brevemente essa teoria econômica de caráter keynesiano e contrapondo-a, usando o arcabouço austríaco, também.

O Peter faz a leitura de um artigo de sua autoria e comentários a respeito do tema, partindo do fato de que ninguém questiona que houve falha de planejamento e, a cada dia que passa, parece mais claro que todos já tinham informações que o Talibã tomaria o controle rapidamente do Afeganistão de novo, tão logo as tropas americanas saíssem de lá.

Seria muito simples retirar, primeiro, os civis americanos e afegãos que apoiaram o governo e, só então, as tropas. Pior, alguns analistas apontam um erro gravíssimo que foi o abandono da Base de Bagram, no início de julho, como a pior estratégia possível. Aquela base era um ponto que poderia ter sido usado para retirar soldados, civis e apoiadores dos americanos com relativa facilidade, muito mais isolada e bem protegida que o aeroporto de Kabul. No entanto, foi abandonada e praticamente entregue ao inimigo no início daquele mês.

Esse movimento foi, segundo alguns estrategistas, o que possibilitou o avanço tão rápido do Talibã e a desintegração completa do exército afegão em poucas semanas.

Resumidamente, o Peter faz um exercício mental ao perguntar: seria isso tudo proposital?

Veja também

Mais informações

Disclaimer: exceto quando explicitado na publicação, não temos nenhuma ligação com o conteúdo divulgado ou seuu(s) criador(es). É também interessante notar que, apesar do nome do site, nem todo conteúdo publicado aqui pode ser rotulado como "de direita" ou de algo que o valha. Pode ser simplesmente algo interessante e/ou edificante que mereça ser arquivado ou pra realizar um simples registro histórico. Saiba mais sobre o Direita.TV aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *