Guilherme Freire – Por que mataram Star Wars?

Guilherme Freire aborda, de uma maneira muito abrangente e aprofundada, como e porque mataram Star Wars, o que se deu especialmente com os filmes recentes, os quais subverteram os simbolismo da trilogia original.

Classificação: 0 / 5. Votos: 0.

Guilherme Freire – Por que mataram Star Wars?

Neste vídeo, o professor Guilherme Freire aborda, de uma maneira muito abrangente e aprofundada, como e porque mataram Star Wars, o que se deu especialmente com os filmes recentes, os quais subverteram os simbolismo da trilogia original.

Freire vai além das análises superficiais comumente encontradas por aí, embora não as negue, afinal, só alguém muito cego ou muito mentiroso poderia negar que houve lacração nos filmes da chamada “Sequel Trilogy”. De fato, o professor faz uma crítica “literária” sobre o Guerra nas Estrela desde as suas origens, mostrando as influencias e simbologias e relacionando-as ao sucesso da franquia, contrapondo-as com o que foi produzido pela Disney recentemente.

Guilherme não nega que, independente de sua qualidade, a série original já era progressista, mas mostra que até esse progressismo teve que ser subvertido ou completamente destruído pelos lacradores responsáveis pelos novos filmes.

Ele também argumenta que os elementos que fizeram a Trilogia Clássica, ainda também presentes na “Prequel Trilogy”, foram responsáveis pelo sucesso estrondoso de Star Wars.

Claro, ainda teve alguma coisa relativamente boa produzida pela Disney, como a série Rebels, a última temporada do Clone Wars, o filme Rogue One, e o Mandalorian (vamos ver até quanto tempo vai durar sem lacração pesada), mas o significado de terem arruinado nada menos que a série principal e seus personagens, ainda mais com a bagunça em termos de lore e consistência que criaram, é praticamente uma pá de cal na tumba da franquia mesmo.

Mais Guilherme Freire

Adicionado em: 5 de dezembro de 2020

Visualizações: 24

Duração: 23:43

Categorias: Comentários

Tags: , , ,

Canal: Guilherme Freire


Link:

Deixe um comentário

Alguns posts relacionados