Estudos sugerem que lockdown pode matar

Estudos, um da University of Edinburgh e outro da UFPE, indicam que o lockdown pode matar. De acordo com uma interpretação dos resultados, o isolamento social teria causado 10,5% mais mortes do que a Peste Chinesa sozinha.

Classificação: 0 / 5. Votos: 0.

Estudos sugerem que lockdown pode matar

Estudos, um da Universidade de Edimburgo (University of Edinburgh) e outro da Universidade Federal de Pernambuco, indicam que lockdown pode matar, como comenta esse vídeo do canal Visão Libertária.

Embora nenhum dos papers, isoladamente, chega a essa conclusão, pode-se interpretar seus resultados de forma a observar que o isolamento social teria causado 10,5% a mais de mortes devido à Peste Chinesa.

Ou seja, de acordo com o vídeo, as medidas insanas e ditatoriais tomadas por tipos como João Dória, Wilson Witzel, Não sei quem Crivella, Alexandre Kalil, Eduardo Leite, Bruno Covas e outros tiranetes locais, com a desculpa de proteger a população do vírus do PCC, causaram mais mortes do que a doença chinesa causaria sozinha.

Ainda segundo o vídeo, a lógica que indica que o lockdown aumenta as mortes, ao invés de preveni-las, é simples: pessoas suscetíveis a efeitos graves da doença, como os idosos, tem, naturalmente, na média, menos contato médio com outras pessoas que pessoas jovens que, tipicamente não são afetadas pelo vírus ou tem apenas sintomas muito leves. Isso significa que, no tempo, pessoas jovens tendem a pegar a doença mais rápido que pessoas idosas. Porque, a cada interação com outra pessoa, você tem chance de pegar, se tem menos interações, tem menos chance de pegar.

Note que esta conclusão, se correta, meio que corrobora as declarações dos médicos que afirmaram que o lockdown tem que acabar, mas foram censurados.

Fontes

Abaixo, seguem os links para os papers referidos no vídeo:

Saiba mais

Adicionado em: 8 de outubro de 2020

Visualizações: 24

Duração: 14:44

Categorias: Comentários, Notícias

Tags:

Canal: ANCAP.SU


Link:

Deixe um comentário

Alguns posts relacionados