José Monir Nasser – Fedro, de Platão

A discussão no diálogo gira em torno da arte da retórica e como ela deve ser praticada.


Este artigo rodas as quatro partes da palestra completa apresentada em Curitiba pelo saudoso professor e economista José Monir Nasser (1957 – 2013) sobre Fedro, de autoria do filósofo clássico Platão, possivelmente composto por volta de 370 a.C., mesmo período que A República e O Banquete, embora pareça ser posterior a essas outras obras.

Fedro (grego: Φαῖδρος, inglês:Phaedrus) é o diálogo escrito por Platão entre Sócrates e Fedro, um ateniense jovem e rico, filho de Phythoclès, do demo de Myrrhinos, e interlocutor em vários diálogos.

Em Fedro, Sócrates encontra Fedro nos arredores de Atenas. Fedro acaba de chegar da casa de Epicrates de Atenas, onde Lísias, filho de Céfalo, fez um discurso sobre o amor. Sócrates, afirmando que está “doente de paixão por ouvir discursos”, caminha para o campo com Fedro. Sócrates espera que Fedro repita o discurso. Eles se sentam à beira de um riacho sob um plátano e uma árvore casta, e o resto do diálogo consiste em oração e discussão.

O diálogo não se apresenta como uma recontagem dos acontecimentos do dia. É contado nas palavras diretas de Sócrates e Fedro, sem outros interlocutores para apresentar a história. Isto contrasta com diálogos como o Banquete, em que Platão estabelece múltiplas camadas entre os acontecimentos do dia e a nossa audição sobre eles, dando-nos explicitamente um relato incompleto e de quinta mão.

Embora ostensivamente sobre o tema do amor, a discussão no diálogo gira em torno da arte da retórica e como ela deve ser praticada, e se detém em assuntos tão diversos como a metempsicose (a tradição grega da reencarnação) e o amor erótico, e a natureza do alma humana mostrada na famosa Alegoria da Carruagem.

Na sequência, temos as quatro partes da palestra, que somam quase quatro horas e meia de duração:

Parte 1

Parte 2

Parte 3

Parte 4

Estes vídeos foram preservados e providenciados pelo canal Mental Food, onde foram publicados originalmente em 28 de junho de 2018.

Conteúdo relacionado

Mais informações

Disclaimer: exceto quando explicitado na publicação, não temos nenhuma ligação com o conteúdo divulgado ou seuu(s) criador(es). É também interessante notar que, apesar do nome do site, nem todo conteúdo publicado aqui pode ser rotulado como "de direita" ou de algo que o valha. Pode ser simplesmente algo interessante e/ou edificante que mereça ser arquivado ou pra realizar um simples registro histórico. Saiba mais sobre o Direita.TV aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *